terça-feira, 21 de julho de 2009

Quem mexeu no meu queijo?




O vídeo mostra a resistência a mudanças. E na minha opinião a resistência tem muito haver com nosso sistema de equilíbrio interno, denominado de homeostase ou homeostático: "que é a propriedade de um sistema aberto, seres vivos especialmente, de regular o seu ambiente interno de modo a manter uma condição estável, mediante múltiplos ajustes de equilíbrio dinâmico controlados por mecanismos de regulação interrelacionados. O termo foi cunhado em 1932 por Walter Bradford Cannon a partir do grego homeo similar ou igual, stasis estático".
Mais que sobreviver a mudanças, os sistemas complexos, precisam de homeostase para manter o equilíbrio interno. Além de sobreviver, estes sistemas devem ter capacidade (nós Homo sapiens:competência e habilidade) de se adaptar ao ambiente externo(novos paradigmas). Portanto, para os Homo sapiens uma questão que pode ser de sobrevivência biológica e de insegurança, manter o Statu quo ( da frase completa in statu quo res erant ante bellum, é uma expressão latina que designa o estado atual das coisas, seja em que momento for), parece ser mais cômodo!
É para refletir...Concordar e discordar!
Autor: Sylvio Fernando Mattos Xavier da Silva

2 comentários:

  1. "Uma mudança ou transformação pressupõe uma alteração de um estado, modelo ou situação anterior, para um estado, modelo ou situação futuros, por razões inesperadas e incontroláveis, ou por razões planejadas e premeditadas."

    Será que todos estão preparados para ela?

    Mônica Wendhausen

    ResponderExcluir
  2. Às vezes, resistimos ao novo, simplesmente porque é diferente. Enchemo-nos de (pré)-conceitos e o rejeitamos, sem sequer tê-lo conhecido. Contrariamente a isto, vivemos em um mundo de constantes transformações. Como diz Lulu Santos, "Nada do que foi será do jeito que já foi um dia..." As reais mudanças só se concretizam, quando emergem do nosso interior, se estivermos internamente receptivos às mudanças. A comodidade, muitas vezes, instala-se, porque tememos o novo; entretanto não ficamos felizes nessa condição. Enfrentar o desafio de conhecer o novo desestabiliza no primeiro momento, mas pode nos tornar muito mais fortes e confiantes no decorrer do tempo.O vídeo "Quem mexeu no meu queijo", na minha visão faz pensar também nisso.
    Heliete S. Millack

    ResponderExcluir

VISITANTES